top of page

Jejum Intermitente


Ontem aconteceu a primeira atividade da parceria entre eu, Erika, Juliana e Caru, a idéia é falar sobre diversos temas atuais e interessantes. Nós fizemos a primeira de uma série de lives no instagram do Veg Ideias (muito blogueirinhas ou ao estilo saia justa - Alô GNT!). O Hareburger abraçou a causa e nos cedeu o espaço da loja de Ipanema para a realização da transmissão ao vivo. Então, além do modo virtual e tecnológico, que é ótimo, ainda possibilitou a vida real, o olho no olho e o abracinho pós transmissão.

A ideia é fazer outras no esquema papo de amigas, como foi ontem, que falamos sobre jejum intermitente e pudemos tirar muitas dúvidas comuns sobre o tema (aproveita que a live tá salva e é possível ver até hoje). Para quem não conseguir ver a tempo, aqui em baixo tem um resumão do que falamos ontem.


Foto: Participantes da transmissão ao vivo do dia 22/06/2018.

O jejum é uma prática muito antiga e cultural, muitas religiões e determinadas culturas pelo mundo tem o hábito de jejuar, desde sempre. Hoje em dia, ela tomou uma fama voltada apenas para o emagrecimento, mas é uma ótima ferramenta quando realizada da de forma correta, com acompanhamento e um propósito para o cuidado de muitas doenças, melhora de glicemia, perfil lipídico, níveis de insulina e também em uma perspectiva sutil, de limpeza, clareza de emoções e sentimentos, desintoxicação.

O prêmio nobel de medicina e fisiologia de 2016 tem muita relação com o jejum, sobre autofagia, que está ligada ao processo de adaptação a fome, resposta a infecções, neuroproteção. O de 2017 está relacionado ao ritmo circadiano (relógio biológico).

Uma amiga quando viu no instagram que teria a Live, a Michelle, me mandou uma mensagem comentando como as pessoas estão obcecadas com a comida, comem demais e se intoxicam por excessos de comida que muitas vezes é de péssima qualidade. Eu vejo muito isso em consultório, pessoas não sabendo identificar a sensação de fome, ou comendo de forma desenfreada. Talvez pela forma de vida, agitada, trabalhando com o que não gosta, diversas cobranças, que levam à ansiedade, irritabilidade e até depressão. Comida não é só pra matar a fome, está ligada totalmente ao prazer, ao social, a cultura, então conhecer o corpo, entender as necessidades dele e o que funciona bem pra si é fundamental para iniciar o jejum ou qualquer ponto ligado a alimentação. Invistam em auto-conhecimento! O que é bom pra mim pode não ser pra você!